Graduação Pós-Graduação Pesquisa Extensão Biblioteca Intercâmbios Comunicação A FFLCH  
Skip to Content

ANNIE GISELE FERNANDES

email: 
anniefer@usp.br
Foto: 
Resumo: 

Graduou-se em Letras (Bacharelado e Licenciatura) em 1993, pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), onde fez o Mestrado em Teoria e História Literária (1996). Doutora em Letras (Literatura Portuguesa) pela Universidade de São Paulo (2001), teve sua pesquisa apoiada pela FAPESP, que também fomentou por duas vezes (em 1997/1998 e em 2000/2001) o Programa de Estágio e Aperfeiçoamento no Exterior realizado na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Em 2002-2003 fez seu Pós-Doutoramento na Universidade de São Paulo, tendo participado do Programa de Estágio Docente para Recém-Doutor ministrando as disciplinas Literatura Portuguesa III e Literatura Portuguesa IV no Curso de Letras. Em 2008, com apoio da FAPESP, realizou segundo Pós-Doc, na Universidade Nova de Lisboa. É Professora Doutora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, onde ministra disciplinas na Graduação e na Pós-Graduação, orienta pesquisas em nível de IC, Mestrado e Doutorado, participa, como organizadora e palestrante, de Programas de Extrensão e desenvolve atividades de Representação e Coordenação. É líder do Grupo de Pesquisa "Poéticas e Escritas da Modernidade (poem)" e pesquisadora principal dos projetos de pesquisa: "A poesia de Mário de Sá-Carneiro e a de Augusto dos Anjos e a escrita do eu" e "Camilo Pessanha, Cruz e Sousa, leituras do simbolismo francês e as poéticas da modernidade". Mantém publicação regular, no Brasil e no exterior, em importantes revistas e periódicos da Área, em dicionário e em livros. Tem experiência na Área de Letras com ênfase em Outras Literaturas Vernáculas e atua principalmente nos seguintes temas: Poesia, Lírica Moderna, Século XIX, Simbolismo, Geração de Orpheu.

Projeto: 

Camilo Pessanha, Cruz e Sousa, leituras do Simbolismo francês e as poéticas da modernidade

 Este projeto, cujo tema são as composições poéticas de Camilo Pessanha e de Cruz e Sousa, integra-se numa pesquisa mais ampla que visa investigar as obras que evidenciam especificidades quanto aos procedimentos estético-poéticos no contexto das gerações simbolistas e (pré-)modernistas no Brasil e em Portugal, bem como possíveis proximidades entre elas, sobretudo no tocante à escrita / constituição do sujeito, à construção da memória poética, ao volksgeist e à importância que as imagens adquirem no texto literário. O estudo dessas questões objetiva apontar o diálogo que com o Simbolismo mantêm as gerações de Orpheu e do Modernismo no Brasil e revisar perspectivas que insistem em permanecer acerca das gerações simbolista e pré-modernista brasileira sobretudo a de que teriam sido pouco consistentes e pouco representativas. O objetivo deste projeto é analisar o modo como, na poesia de Camilo Pessanha e na Cruz e Sousa, o poder das palavras está, em grande parte, na força das imagens que suscitam e na sonoridade que ou prolonga a carga semântica de cada vocábulo, ou estabelece tensão entre o significante e o significado. Neles, o tratar de si e a constituição e o esvaimento do Eu adquirem dimensões um tanto particulares pelo fato de que recursos clássicos como a ekphrasis, a hipotipose ou a dispositio estão fundados num recurso simbolista por excelência: a ação dos sentidos e a importância deles na percepção íntima do exterior e na relação que se estabelece entre sujeito poético e mundo e desenvolvem-se, à moda parisiense, na esteira das transformações que concretizam a renovação lírica.

A poesia de Mário de Sá-Carneiro e a de Augusto dos Anjos e a escrita do eu

Este projeto, cujo tema são as composições poéticas de Mário de Sá-Carneiro e Augusto dos Anjos, integra-se numa pesquisa mais ampla que visa investigar as obras que evidenciam especificidades quanto aos procedimentos estético-poéticos no contexto das gerações simbolistas e (pré-)modernistas no Brasil e em Portugal, bem como possíveis proximidades entre elas, sobretudo no tocante à escrita / constituição do sujeito, à construção da memória poética e ao volksgeist. O estudo dessas questões objetiva apontar o diálogo que com o Simbolismo mantêm as gerações de Orpheu e do Modernismo no Brasil e revisar perspectivas que insistem em permanecer acerca das gerações simbolista e pré-modernista brasileira sobretudo a de que teriam sido pouco consistentes e pouco representativas. O objetivo deste projeto é analisar o modo como, na poesia de Mário de Sá-Carneiro e na de Augusto dos Anjos, o tratar de si e a constituição e o esvaimento do Eu adquirem dimensões um tanto particulares uma vez que, no caso do poeta português, referências do espaço físico, geográfico, são empregadas para a e na constituição do sujeito poético, efetivando o que se chama de espacialização do sujeito, e no do vate brasileiro, a terminologia químico-biológica, o contexto científico são empregados para nos dar a conhecer o sujeito poético que busca responder ao Quem sou? , O que sou? , De onde venho? e para nos faz ver que o Eu enquanto singularíssima pessoa vale muito pouco, pois o que de fato importa é a sua dissolução, sua reintegração no Mundo Natural.

Áreas: 
Literatura Portuguesa
Linha de Pesquisa: 

1.A Lírica oitocentista e suas especificidades. 2.Estudos Oitocentistas - desenvolvida entre 2003 e 2007 3.Poéticas e Escritas da Modernidade 4.Grupo de Pesquisa Poéticas e Escritas da Modernidade (Poem) - Líder / Grupo em Rede de Pesquisa Internacional 5. Coordenadora do Laboratório de Estéticas e Poéticas (LEPO) 6.Linhas de pesquisa: estéticas e poéticas