Graduação Pós-Graduação Pesquisa Extensão Biblioteca Intercâmbios Comunicação A FFLCH  
Skip to Content

MANOEL LUIZ GONÇALVES CORREA

email: 
goncor@terra.com.br
Foto: 
Resumo: 

Graduado em Letras (Português/Espanhol) pela UNESP-São José do Rio Preto-SP (1978), fez mestrado (1986) e doutorado (1997) em Lingüística na Universidade Estadual de Campinas e livre-docência (2011) na Universidade de São Paulo. Fez, ainda, dois pós-doutorados no exterior (U-3-Grenoble-FR 2002/2003, e Université Paris XII-FR, em 2009) e coordenou convênio CAPES/COFECUB USP/UNICAMP/U-3-GRENOBLE (FR) por quatro anos (2005-2008). Atualmente, é professor efetivo do DLCV-FFLCH-Universidade de São Paulo. Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Ensino de Português L1, atuando principalmente no estudo dos temas: escrita, letramento, discurso, leitura.

Projeto: 

Análise de textos e discursos. Gêneros, interação, sociocognição e ensino de língua portuguesa

Este projeto faz parte do PROCAD/NF 294/2010, estabelecido entre o Programa de Pós-Graduação em Estudos da Linguagem (PPGEL/UFRN), da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, a Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) e a Universidade de São Paulo (USP). O objetivo de tal projeto é fortalecer e desenvolver o PPGEL/UFRN, com o apoio e a parceria de Programas de Pós-Graduação já experimentados, como é o caso da PUC/SP e da USP. Para tanto, haverá um diálogo entre diversos eixos teóricos e a cooperação entre pesquisadores de linhas teóricas diferentes, mas com um denominador comum: projetos que têm por base a Linguística Textual, a Teoria dos Gêneros, a Análise do Discurso, a Sociolinguística Interacional e a Linguística Aplicada. Além do diálogo entre programas de pós-graduação de universidades diferentes e experimentadas, existe a meta de consolidar uma nova linha de pesquisa no PPGEL/UFRN: Linguística Textual e Ensino de Língua Portuguesa. 

Letramento e oralidade na escrita de universitários e pré-universitários: tempo e temporalidade

Com o objetivo de investigar a competência escrita (e de leitura) de formandos em Letras e propor encaminhamentos para o trabalho com esse tema no contexto universitário, este projeto propõe o estudo da relação entre letramento e oralidade, particularizando-o para a estruturação do tempo nos textos de pré-universitários (candidatos a cursar Letras) e universitários (formandos em Letras). Toma como ponto de partida as noções de tempo lingüístico e tempo crônico (Benveniste, 1989) para investigar como se dá a construção do tempo na organização estrutural dos textos. O corpus reúne 3363 respostas à questão discursiva de Letras e Lingüística, número que corresponde a cerca de 20% do total de respostas obtidas no exame de 2001. Além desses textos, o corpus conta ainda com 270 redações dissertativas sobre o tema O trabalho, produzidas por candidatos ao curso de Letras da USP por ocasião do Vestibular FUVEST/2006. A perspectiva teórica toma como base a idéia de que letramento e oralidade se realizam como práticas sociais que, como tais, convivem no mesmo espaço social. Essa convivência se materializa em fatos lingüísticos de natureza heterogênea do ponto de vista da relação entre fala e escrita, natureza que sustentará a observação da relação entre tempo e temporalidade. Neste particular, serão utilizadas as contribuições teóricas advindas da História Oral. À convivência entre letramento/oralidade e escrita/fala, associa-se uma concepção de linguagem baseada em dois pressupostos teóricos: a) o de que a linguagem humana caracteriza-se pela possibilidade de narrar, marcando-se por essa espécie de gênero fundador; e (b) o de que a subjetividade e a produção de sentido dependem da consideração da alteridade: o sujeito da linguagem constituindo-se na presença (física ou imaginada, consciente ou inconsciente) do outro e o sentido que produz ganhando acabamento também no outro. Metodologicamente, a análise é orientada para uma abordagem qualitativa.

Áreas: 
Filologia e Língua Portuguesa
Linha de Pesquisa: 

1. Estudos de lingüística aplicada do português